Como é o acordo que fez vendas do Egito para o Brasil crescerem 74%
Como é o acordo que fez vendas do Egito para o Brasil crescerem 74%
11/09/2020

O volume de exportações do Egito para o Brasil cresceu 73,9% desde setembro de 2017. Esse é o principal resultado de um acordo de livre comércio assinado pelo país africano com o Mercosul (Mercado Comum do Sul), que reúne os países da América do Sul.

O número foi apontado em um relatório elaborado pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) em setembro de 2020. O acordo de 2017 também alavancou exportações do Brasil para o Egito, que subiram 21,1%.

Desde o início de setembro de 2017, quando o acordo entrou em vigor, mais de 2 mil produtos já receberam isenção tarifária em movimentações entre Egito e Mercosul. A lista terá acréscimo de 463 itens da nação africana e 719 dos sul-americanos a partir deste mês.

Quais são os principais produtos que o Brasil vende para o Egito

Seis categorias produtivas do Brasil foram as principais beneficiárias locais do novo acordo com o Egito. Segundo a CNI, ladrilhos e peças de cerâmica, óleos de petróleo ou de minerais betuminosos, glicerol, tijolos e placas foram os produtos que tiveram maior impacto do acordo assinado em 2017.

Em contrapartida, cresceu no Brasil a presença de produtos egípcios como plantas, azeitonas, parafina e cimentos.

Quem terá isenção entre Mercosul e Egito a partir de setembro

O marco de três anos de vigência do acordo de livre comércio servirá como oportunidade para uma ampla revisão dos produtos abarcados pela negociação.

A partir de setembro de 2020, categorias como compostos químicos orgânicos e inorgânicos, papel e cartão, produtos farmacêutico, plásticos e combustíveis, óleos minerais e seus destilados poderão sair do Mercosul para o Egito com isenção tarifária.

Em compensação, egípcios terão isenção em negociações de plantas, combustíveis, óleos minerais, grãos, sementes e frutos, sal e enxofre, terras e pedras, cal e cimento, gesso e borracha.

Como é o volume de negociações entre Brasil e Egito

Em 2017, antes do início da vigência do acordo, Brasil e Egito já registravam um volume crescente de negociações. O volume exportado dos sul-americanos para os parceiros naquele ano, por exemplo, já havia sido 36% superior ao ano anterior, saltando de US$ 1,7 bilhão para US$ 2,4 bilhões.

O acordo zerou tarifas de 31% dos produtos exportados pelo Mercosul para o Egito – o volume chegará a 45% em setembro deste ano. Na outra direção, houve isenção para 26% dos produtos vendidos pelos africanos – o número atingirá 32,2% neste ano.

Direção,
Marcus Vinicius Tatagiba.

Leia mais:

O que é CCN e por que essa sigla pode ajudar venda de carnes brasileiras no exterior
Quarentena interfere em calendário de feiras e alavanca eventos online
O que é ESG e por que essa sigla faz diferença no comércio exterior
Porto de Santos bate recorde de movimentação. Mas o que isso diz sobre o comércio exterior?
Estados Unidos têm superávit de US$ 3,131 bilhões em negócios com o Brasil no semestre

Assine nossa newsletter!

Aceito a Política de Privacidade
Aceito receber informativos por e-mail, SMS e WhatsApp.
Precisa de Ajuda?
Fale Conosco!