Em meio à quarentena, agronegócio brasileiro bate recorde de exportação
Em meio à quarentena, agronegócio brasileiro bate recorde de exportação
17/06/2020

Nem todos os setores do mercado têm sofrido com a quarentena motivada pelo novo coronavírus. É o caso do agronegócio brasileiro, que registrou em maio de 2020 um recorde histórico de exportações para o período. Segundo dados da SCRI (Secretaria de Comércio de Relações Internacionais), órgão vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, foram US$ 10,9 bilhões vendidos pelo país no mês, crescimento de 17,9% em comparação com igual período do ano anterior.

O número é expressivo em face do peso que o agronegócio tem conseguido nas exportações brasileiras. Em maio de 2020, o setor respondeu por 60,9% do total vendido pelo país para o exterior.

O índice é puxado pela soja (US$ 5,2 bilhões), seguida por carne bovina (US$ 780 milhões), açúcar (US$ 767 milhões) e café verde (US$ 468 milhões).

China comprou 55% da carne exportada pelo Brasil e puxou alta do agronegócio em maio
Crédito: Unsplash

Alta do agronegócio é puxada pela China

O recorde de exportações registrado em maio tem relação direta com a avidez da China por produtos brasileiros. A venda para o país asiático teve alta de 50,4% no período entre 2019 e 2020, perfazendo um total de US$ 4,91 bilhões (44,9% do total).

A China comprou em maio US$ 3,7 bilhões de soja do Brasil (71,5% do volume vendido pelo país sul-americano).

Outros segmentos em que a China teve papel significativo foram carne (55% do total exportado pelo Brasil no segmento), açúcar (21,7%) e celulose (41,4%).

Plantação de soja no Brasil: agronegócio ajudou país a bater recorde em maio
Crédito: Unsplash

Resultados confirmam comportamento do Brasil no mercado

Os índices registrados em maio ratificaram o perfil do Brasil no comércio exterior: fortemente baseado em commodities e dependente do mercado chinês.

Alavancadas pela agropecuária, as commodities responderam por 71% da exportação do Brasil em maio de 2020. De acordo com o Icomex (Índice de Comércio Exterior) desenvolvido pela FGV, o volume foi 23,7% superior ao do mesmo mês no ano passado.

O Icomex mostrou que em maio, enquanto as exportações do Brasil para a China tiveram alta, o volume de negócios do país caiu com todos os outros países da Ásia.

Em 2020, 32,5% das exportações brasileiras tiveram a China como destino. Em contrapartida, 20,8% das importações do país sul-americano tiveram origem no parceiro asiático.

O saldo da balança comercial do Brasil foi de US$ 4,5 bilhões em maio, montante US$ 1,1 bilhão inferior ao que o país havia registrado no mesmo mês do ano passado. Em 2020, o saldo acumulado é de US$ 15,5 bilhões, US$ 4,8 bilhões abaixo dos cinco primeiros meses do ano anterior.

Direção,
Marcus Vinicius Tatagiba.

Leia mais:

Que impactos o novo coronavírus já provocou no mercado externo do Brasil?
O que esperar do comércio exterior pós-crise?
Em meio à pandemia, Brasil eleva compras de trigo, fertilizantes e bens para indústria de transformação

Assine nossa newsletter!

Aceito a Política de Privacidade
Aceito receber informativos por e-mail, SMS e WhatsApp.