Importações Brasileiras Retomam Crescimento - Abracomex
Importações Brasileiras Retomam Crescimento
01/09/2016

Câmbio e cenário internacional tiveram efeito negativo no PIB.

 

RIO — O setor externo mostrou um desempenho diferente no segundo trimestre do ano e passou a contribuir menos para um resultado positivo do PIB. Isso fica evidente na comparação com os três primeiros meses do ano: as importações registram resultado positivo de 4,5%, depois de quatro quedas seguidas, enquanto as exportações, que vinham de um crescimento de 4,3%, registraram alta de apenas 0,4%. Nessa comparação, houve contribuição negativa para o PIB.

Para Mark Mobius, agenda do novo governo deve ter foco em medidas fiscais, de melhora da eficiência da economia e de combate à corrupção

‘Reformas tornam país muito mais atraente’

Endividamento de famílias e empresas impedirá retomada do consumo
‘O PIB do segundo trimestre conta uma história pela metade’

Taxa só não é pior que a variação média anual dos mandatos de Fernando Collor de Mello
Desempenho econômico: Dilma só supera Collor e Floriano Peixoto

PIB recua 0,6% no segundo trimestre, mas indústria e investimentos reagem
PIB: primeiros sinais de alívio na economia
De acordo com a a gerente de Contas Nacionais do IBGE, Claudia Dionísio, que apresentou os resultados do PIB ontem, essa mudança reflete a variação cambial do período:

— Como o real teve apreciação no segundo trimestre, as exportações ficam menos competitivas, e as importações tendem a crescer mais.

Na comparação anual, as exportações continuaram em alta, enquanto as importações caíram. No entanto, também em níveis mais baixos, contribuindo menos para um resultado positivo do PIB.

As exportações, que haviam crescido 13% no primeiro trimestre frente ao mesmo período do ano anterior, tiveram alta de apenas 4,3% entre abril e junho. Já as importações, que caíram 21,7% nos primeiros três meses do ano, no segundo trimestre recuaram 10,6%. Os resultados também foram influenciados pela desvalorização cambial, que foi de 14,3% no período. Dentre as exportações, os destaques de crescimento foram veículos, agropecuária, papel e celulose e metalurgia. Nas importações de bens, as maiores quedas ocorreram em siderurgia, indústria automotiva, têxteis, vestuário e calçados, eletrônicos e petróleo.

— É difícil dizer o que explica isso, é possível que seja o câmbio. Mas, por trás do aumento do investimento que apareceu neste PIB, está também o crescimento da importação de bens de capitais, o que ajuda a entender o movimento do setor externo — diz Paulo Levy, economista do Ipea.

Na avaliação da economista do Ibre/FGV Silvia Matos, um crescimento maior das exportações em relação às importações é ruim no contexto econômico brasileiro.

Aposta no consumo. A Leads Care Cosméticos investiu e está contratando: “Vamos ampliar o portfólio”, afirma a diretora da empresa, Rosiane Medeiros
Investimento avança, mas recuperação será lenta

Aperto. Antônio Cláudio Menezes sofre com atraso no salário: “Estou vivendo de favor e não tenho dinheiro para oficializar minha separação”
Em três anos, renda deve amargar perda de 9%
VÍDEOPIB em um minuto
— Nos períodos de crescimento, o setor externo sempre tem contribuição menor. Quando as exportações superam as importações, como agora, isso reflete a desvalorização do câmbio, por conta de uma economia que estava indo para o buraco. Se essa diferença diminui, então é sinal de que estamos voltando à normalidade. Não temos tradição de exportação de manufaturados. Isso se torna alternativa quando o mercado interno não vai bem — explica.

Para o economista-chefe do banco Fator, José Francisco de Lima, a contribuição do setor externo para a retomada será tímida, pois o comércio mundial está caindo.

— O Japão está estagnado, a União Europeia está estagnada, os Estados Unidos crescem pouco, e a China desacelera. Não tem como o setor externo ajudar a retomada do crescimento — ressalta Lima.

Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos, tem opinião semelhante:

— O motor do crescimento é o mercado interno. O setor externo é importante para equilibrar nossas contas externas, pois a economia brasileira é muito fechada, e o comércio internacional está estagnado.

Fonte: O Globo

 

Assine nossa newsletter!

    Aceito a Política de Privacidade
    Aceito receber informativos por e-mail, SMS e WhatsApp.
    Precisa de Ajuda?
    Fale Conosco!