Pesquisas mostram que empresários brasileiros estão otimistas sobre o cenário econômico este ano
05/02/2019

O levantamento feito com 826 empresas, que juntas, somam um faturamento de R$ 2,8 trilhões (o equivalente a 43% do PIB nacional) constatou que 97% delas pretendem fazer investimentos em 2019. Em sua grande maioria, em novos produtos e serviços ou em modernização tecnológica.

Quadro de funcionários

Quanto a novas contratações, 47% das empresas sinalizaram favoravelmente, enquanto 32% disseram que irão manter o número, mas fazendo substituições. Como reforça o sócio-líder de desenvolvimento de mercado da Deloitte, Othon Almeida: “Houve uma espera que determinadas mudanças pudessem acontecer”, afirma. “Minha percepção é de que a retomada do emprego continuará se dando de maneira lenta e gradual até que essas medidas fiquem claramente definidas.”

Prioridades dos empresários

93% dos entrevistados consideram a Reforma Tributária e 90% a Reforma Previdenciária como essenciais para o crescimento econômico do país. Os empresários ainda ressaltaram outros pontos que acreditam ser prioritários para impactar a atividade econômica. O estímulo a geração de empregos foi citada em 80% dos casos, e a manutenção da inflação por 58% deles. 53% ainda citaram a participação do Brasil no Comércio Mundial.

Setores da economia

Melhoras serão observadas em todos os setores, segundo Insper e o Banco Santander. A confiança do empresariado subiu 6,39% (72,12) para o primeiro trimestre. No que diz respeito ao desempenho de vendas em 2019, 69% preveem elevação do seu patamar atual.

Todos esses sinais revelam um favorável fim das incertezas eleitorais e a postura pró-mercado do atual governo. O professor do Insper e pesquisador responsável pelo levantamento, Gino Olivares completa: “A transição também tem se realizado de forma muito tranquila na área econômica, não há uma descontinuidade de políticas. Todos esses fatores ajudam na percepção dos empresários”. Acrescenta ainda que, é fundamental para os investidores manterem sua confiança na economia brasileira, o acerto de contas públicas.

Em todos os setores, o Índice de Confiança dos Pequenos e Médios Negócios (IC-PMN), medido pelo Centro de Estudos em Negócios do Insper, é praticamente o mesmo: A indústria apresenta 73 pontos, o comércio 72,2 pontos e o setor de serviços, 71,5 pontos. Sendo estes os melhores resultados desde 2009.

De acordo com as perspectivas da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Brasil expandirá 2,7% em seu Produto Interno Bruto (PIB), impulsionado por 3% de crescimento da Indústria e 6,5% em investimentos. Com o avanço da Indústria 4.0, os ventos sopram favoráveis para que alcancemos maior participação e competitividade no comércio exterior de bens e serviços.

Você trabalha ou quer trabalhar com comércio internacional? Então, não deixe de conhecer o nosso Infográfico: Incoterms 2010.

Direção por Marcus Vinicius Franquine Tatagiba

Assine nossa newsletter!