Produção de veículos é a maior em 4 anos e exportações batem recorde em janeiro - Abracomex

Clique aqui e fale conosco através do whatsapp.

Produção de veículos é a maior em 4 anos e exportações batem recorde em janeiro
16/02/2018

O primeiro mês de 2018 registrou a produção de 216.834 veículos em todo o País, alta de 24,6% em relação a igual período no ano passado e o melhor resultado para janeiro em quatro anos.

O bom desempenho foi influenciado majoritariamente pelas exportações, que registraram o maior volume para o mês desde o início da série histórica, em 2008, com a venda de 47.029 unidades a outros países. Os dados foram divulgados ontem pela Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores).

Para o presidente da associação, Antonio Carlos Megale, os resultados vão ao encontro da expectativa de expansão do setor automotivo neste ano, de 13,2%. “Nós temos uma visão positiva e entendemos que devemos ter um crescimento de vendas de 11,7%. Também acreditamos em um pequeno aumento de exportação de 5%, haja vista que no ano passado batemos recorde histórico com 766 mil unidades e, neste ano, devemos ultrapassar as 800 mil unidades. Os resultados de janeiro confirmam esta expectativa, já que tivemos incremento substancial mesmo que seja sobre uma base bem baixa”, assinalou.

Para se ter noção do peso das vendas para outros países no total fabricado pelas montadoras, o coordenador de MBA em Gestão Estratégica de Empresas da Cadeia Automotiva da FGV, Antonio Jorge Martins, destaca que, não fossem as exportações, o número da produção seria similar ao de janeiro do ano passado – um dos piores da história, quando foi registrada a confecção de 174.079 unidades e comércio externo de 37,2 mil exemplares. No total, as exportações movimentaram o montante de US$ 1,03 milhão, alta de 26% em relação ao valor das operações do primeiro mês de 2017.

Martins, porém, acredita que o mercado interno deva apresentar melhores condições a partir de março. “Todo início de ano é caracterizado por várias despesas (material escolar, IPVA, IPTU), então não se tem uma visão mais plena de como está o consumo, principalmente para pessoas físicas.”

Assine nossa newsletter!