Qual o panorama atual da exportação brasileira?
07/02/2020

Obter compreensão da situação econômica de um país é realizar um mapeamento da exportação tamanha sua importância. A exportação brasileira é uma das operações econômicas de maior significância. Qualquer oscilação reflete consideravelmente em uma forma geral. Por esta razão, é importante ter um panorama e uma visão estratégica da área. Uma das grandes responsabilidades de um profissional de comércio exterior.

Acompanhe nosso artigo!

Momento atual da exportação brasileira

O Ministério da Economia divulgou a balança comercial referente ao mês de Janeiro. Na quarta semana registrou um déficit de US$ 561 milhões. Nas quatro semanas de janeiro, as exportações somaram  US$ 11,397 bilhões, já as importações, US$ 11,041 bilhões. Ou seja, houve um saldo positivo de US$ 356 milhões.

Comparado ao mesmo período do ano passado, podemos identificar uma queda de 18,4%. Uma das principais razões é a diminuição de venda de três produtos essenciais: manufaturados, semimanufaturados e básicos. 

As previsões da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) é de uma queda de 3,2% nas exportações. Estimando-se US$ 217,341 bilhões. Um dos principais motivos quanto à queda da exportação foi a Guerra entre Estados Unidos e China. Deixando o mercado mundial instável. 

É importante ressaltar o quanto às ações e acontecimentos mundiais influenciam diretamente na dinâmica do mercado. Podendo alterar as vendas positiva ou negativamente. Cabendo uma visão estratégica para equilibrar a situação.

O ano de 2019 foi marcado por um feito histórico, pela primeira vez depois de 40 anos, o país exportou mais produtos básicos. Foram cerca de US$ 224 bilhões de produtos exportados no ano de 2019. Desse total, 52,7% (US$ 118 bilhões) foram itens básicos. No ano de 2018, esses produtos detinham 49,8%, ultrapassando assim, os produtos industrializados.

Compreendemos como produtos básicos aqueles que não dependem de tecnologia ou qualquer acabamento. Tendo como exemplo: frutas, carnes, minerais, grãos etc. Entre os produtos industrializados, os manufaturados tiveram uma queda de 11,1%. As vendas de manufaturados, por sua vez, tiveram um recuo de 8%. 

No entanto, vale ressaltar que a meta do novo governo é o aumento de exportação brasileira de produtos industrializados. Ou seja, com maior valor agregado. Essa meta garantirá ao Brasil maior possibilidade de aumento de empregos e renda. Garantindo também lucro e faturamento maiores para os produtores.

É importante ressaltar que em 2019, a balança comercial fechou com superávit de US$ 46,674 bilhões. Mesmo sendo o menor superávit há quatro anos, o Brasil ainda possui mais exportação do que importação de produtos.

As instabilidades do cenário mundial foi o principal responsável pela queda. A crise econômica na Argentina teve um forte impacto, sendo este país um importante comprador. Além disso, ocorreu a gripe suína na China e guerra comercial envolvendo dois grandes países importadores. O governo já anunciou que o coronavírus pode provocar queda de 3%. 

Principais países em acordos comerciais com o Brasil

É certo que nenhum país pode ser auto suficiente, por esta razão os acordos e parcerias comerciais são necessárias. Cada país oferece o que produz de melhor para suprir as necessidades da população de outro. 

Os acordos internacionais, assim como os blocos econômicos foram criados com o intuito de facilitar essa dinâmica. Interagindo com a proposta de reduzir as tarifas alfandegárias e estabelecendo condições especiais para compra e venda.

Atualmente, o Brasil ocupa a nona maior economia do mundo em exportação, de acordo com dados do FMI. A PricewaterhouseCoopers – PwC prevê ainda que em 2050 chegará a 5ª no ranking mundial. O país possui uma boa reputação no mercado internacional, destacando-se com minério de ferro, soja, carne e açúcar.

Mas antes de falarmos sobre os produtos com maior índice de exportação, vamos conhecer os principais países com acordos comerciais:

  • China:

Sem mesmo terminar o ano de 2019, a China chegou a um saldo de 21,45 bilhões de dólares. É o país que mais recebe exportação brasileiras. Assim como também, é o maior em importações no Brasil.

Os produtos que o Brasil mais exporta para a China são: soja, carros, minério de ferro, carnes de aves, ouro e petróleo.

Por ser um de nossos principais mercados de exportação, qualquer instabilidade em sua economia afeta diretamente nossa exportação.

  • Estados Unidos

O país é a segunda maior economia quando falamos de exportação. Sendo este também um dos principais mercados internacionais para a exportação brasileira. A maior parte dos produtos são: óleos brutos de petróleo, aviões e semimanufaturados de ferro e aço.

  • Argentina

Um dos principais mercados do Mercosul, no entanto, em 2019 teve um abalo muito forte, por conta da crise econômica da Argentina. Os principais produtos que tiveram queda de exportação foram da indústria automobilística.

No entanto, em setembro de 2019 foi assinado um acordo de livre comércio de carros.

  • Holanda

Este é o nosso maior comprador e ocupa a 8ª maior economia de exportação no mundo. Os principais produtos exportados são: tubos flexíveis de aço ou ferro, farelo de soja e minério de ferro.

  • Alemanha

A Alemanha faz parte da terceira colocação entre as maiores economias de exportação. Nos primeiros sete meses de 2019, adquiriu café, minério de cobre e farelo de soja.

  • Oriente Médio

O oriente médio também é um forte parceiro comercial do Brasil. As exportações brasileiras ultrapassaram os 8 bilhões de dólares. As trocas comerciais entre as duas partes renderam ao nosso país um superávit de 4,251 bilhões de dólares.

As exportações são em sua grande maioria de: carne de frango, carne bovina, açúcar e milho em grãos.

Exportação brasileira: principais produtos

A exportação brasileira, assim como os demais países, possuem os produtos com maior saída e movimentam a economia. Apesar de o café ser muito conhecido como um produto exportado, o item ocupa a 11º no ranking de exportações. Vamos, então, conhecer os principais produtos exportados:

Soja

Somente a soja é responsável por 12% do total de exportações em 2019. O Brasil é o segundo maior produtor de soja do mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos.

Foram exportados mais de US$ 25 bilhões de grãos de soja em 2019. Sendo o Mato Grosso o Estado que mais exportou no período. O principal destino deste produto foi a China, que conforme vimos, é um de nossos principais mercados.

Petróleo

O petróleo também teve uma boa representatividade nas exportações, tendo sido exportado US$ 21 bilhões até novembro de 2019. Ganhando até então, a segunda colocação no ranking. 

O Estado que mais exporta é o Rio de Janeiro e os países que mais recebem é a China e os Estados Unidos.

Minério de ferro

No ano de 2019, o minério de ferro teve um crescimento de mais de 12% comparado a 2018. Ganhando mais espaço no mercado internacional e garantindo 10% de nossas exportações.

O país em que mais destinamos minério de ferro é a China, não é a toa que o país é nosso maior parceiro comercial.

Celulose

A celulose, por sua vez, foi responsável pela exportação de US$ 6,55 bilhões até novembro de 2019. Sendo o Estado de Mato Grosso do Sul o maior produtor brasileiro.

Milho

O milho em grãos foi responsável por 3,19% das exportações brasileiras, com uma receita de US$ 5,92 bilhões.

Os países de destino com maior representatividade é o Irã, Japão e Vietnã.

Carne de frango

A carne de frango é exportada para diversos países como China, Arábia Saudita, Japão e Emirados Árabe. Exportando cerca de US$ 5,18 bilhões com participação de 2,79% da exportação.

Carne bovina

A carne bovina representa 2,8% das exportações, sendo congelada, refrigerada ou fresca. Os países que mais compraram até novembro de 2019 foram Hong Kong e China. 

Demais produtos

O Brasil ainda realiza as exportações de demais produtos manufaturados, farelo de soja, açúcar e café. Compondo a nossa lista de produtos com maior participação no mercado exterior.

Concluímos

A exportação brasileira possui boas previsões para os próximos anos, no entanto, depende de todo um cenário internacional. Como vimos, a China e os Estados Unidos são os nossos principais compradores. Logo se há instabilidade política, social ou econômica, reflete consideravelmente em nosso comércio.

Gostaríamos de ouvir a sua opinião sobre o tema. Deixe aqui a sua mensagem e vamos conversar sobre o panorama atual das exportações brasileiras.

Direção,

Marcus Vinicius Franquine Tatagiba.

Assine nossa newsletter!

Aceito a Política de Privacidade
Aceito receber informativos por e-mail, SMS e WhatsApp.